Skip to content

Monthly Archives: fevereiro 2015

O Pessoal é Político, Carol Hanisch

22-fev-15

Por Carol Hanisch, Women’s Liberation Movement, 1969. Tradução livre. Texto original em inglês: http://carolhanisch.org/CHwritings/PIP.html Para este artigo eu procurei focar um aspecto comumente discutido no debate de Esquerda – a saber, “terapia” vs. “terapia e política”. Um outro nome para isto é “pessoal” vs. “político” e há outros nomes, eu suspeito, da forma como o […]

Prostituição: Direitos das Mulheres ou Direitos SOBRE as Mulheres?

22-fev-15

Outubro de 2003 por Elaine Audet Stella, um grupo de Montreal criado em 1995 que advoga para o direito das prostitutas, tem demandado que a prostituição seja completamente descriminalizada e que haja um reconhecimento das ‘trabalhadoras sexuais’. Essa posição não é aceita com unanimidade. De fato, para maior parte das feministas, prostituição é vista como […]

Teoria Queer e Violência Contra a Mulher

22-fev-15

Por Sheila Jeffreys Eu quero falar sobre como queer e teoria pós-moderna afetaram a habilidade de feministas e lésbicas de organizar-se contra, ou mesmo reconhecer violência contra mulheres. Na teoria queer e pos moderna, baseada no individualismo liberal, formas importantes de violência são renomeadas ´transgressão´, ´escolha´ ou ´agência´. Eu vou concentrar nas 3 formas de […]

gênero

21-fev-15

“Gênero não é uma performance. Mulheres não são estupradas, espancadas, abusadas, molestadas e torturadas psicologicamente porque elas “performam” mulheridade. Essas coisas acontecem porque homens (não “aqueles que performam masculinidade”, a propósito, mas simplesmente homens) designam elas como aquelas-a-quem-é-ok-machucar. Para dizer que gênero é performance é essencial culpabilizar a vítima. Afinal, se uma pessoa escolhe seu […]

Gênero x Patriarcado – Heleieth Saffioti

21-fev-15

texto de Heleieth Saffiotti, que discute ambos conceitos e seus usos políticos. O argumento final aqui desenvolvido em favor das idéias até agora defendidas girará em torno da recusa do uso exclusivo do conceito de gênero. Por que este conceito teve ampla, pro­funda e rápida penetração não apenas no pensamento acadê­mico, mas também no das(os) […]

Declarando Independência da Revolução Sexual – Dana Densmore

21-fev-15

Ti Grace Atkinson, escritora feminista dos 70 que questionou a institucionalidade de determinadas práticas sexuais e escreveu folheto e artigo sobre o mito do orgasmo vaginal, à esquerda, com membras do ‘Feminists’ em demonstração frente à Licença de Casamento de Manhattam. ‘Sexo está super estimado’, ela diz. ‘Se um dia tivermos que escolher entre sexo e […]

Audre Lorde, “Os usos da raiva: Mulheres respondendo ao racismo.

21-fev-15

(1981) Audre Lorde, “Os usos da raiva: Mulheres respondendo ao racismo”   Em junho de 1981, Audre Lorde fez a apresentação principal na conferência da Associação Nacional de Estudos de Mulheres, em Storrs, Connecticut. A sua apresentação aparece abaixo. Racismo. A crença na superioridade inerente de uma raça sobre todas as outras e, portanto, o […]

A instituição do intercurso sexual – Ti-Grace Atkinson

21-fev-15

O orgasmo vaginal se apóia na teoria biológica, ao sustentar que a instituição do intercurso é do interesse do instinto sexual da mulher. O argumento consiste mais ou menos no seguinte: o homem tem um instinto sexual, e nós o sabemos, já que os homens adoram ter relações sexuais. Como o desejo masculino pelo intercurso […]

Sexo, Gênero e Relações Sociais de Sexo

21-fev-15

“No Brasil, é muito difundida a ideia de uma certa equivalência entre teorias pós-modernas e uma perspectiva antiessencialista, como se a segunda só pudesse ser fruto da primeira posição. É interessante notar que os referenciais antinaturalistas vêm, em grande medida, nessa obra, de autoras de outras perspectivas teóricas. Além disso, percebe-se até mesmo uma certa […]

A Heresia Lésbica – Sheila Jeffreys – Introdução

21-fev-15

A teoria política do feminismo lésbico transformou o lesbianismo de uma uma prática sexual estigmatizada em uma ideia e uma prática política que representava um desafio à supremacia masculina e sua instituição básica da heterossexualidade. Lésbicas Feministas articularam esse desafio nos anos de 1970. Elas eram heréticas. Foi um ato de heresia. Fundamental para a prática lésbica feminista […]